O Zoom, o Skype e outras ferramentas de videoconferência substituíram as reuniões pessoais durante a pandemia do COVID-19.

Veja como se adaptar às possíveis armadilhas da negociação por vídeo.

Com as negociações presenciais atualmente perigosas para a nossa saúde, os Compradores mudaram para reuniões Zoom, chamadas pelo Skype, Hangouts do Google e outras formas de videoconferência.

Além de permitir o distanciamento social, a videoconferência parece à primeira vista ter todas as vantagens de reuniões presenciais.

Elimina os custos da reunião frente a frente, incluindo despesas de viagem.

Ele também permite que as pessoas aprendam com as pistas visuais e verbais uma da outra: através de risadas, carrancas, vozes elevadas e gestos com as mãos, os negociadores podem construir relacionamento e entendimento.

E a videoconferência permite que os negociadores visualizem e discutam em conjunto documentos, slides e vídeos.

No entanto, negociar por vídeo não é o mesmo que estar lá.

Para obter os benefícios da negociação nos negócios durante a era COVID-19, considere as quatro limitações a seguir, que sugerem estratégias-chave de negociação.

Visibilidade limitada

Na videoconferência, vemos menos a outra pessoa e seu ambiente do que quando negociamos pessoalmente.

Os indivíduos geralmente aparecem como “cabeças falantes” – ou seja, apenas as cabeças e o torso superior são exibidos na tela.

Também não podemos ver o que está acontecendo no ambiente deles fora das câmeras.

Se a outra parte estiver olhando para fora da tela, eles estão prestando atenção ou talvez ocultando algo relevante para a negociação?

Além disso, uma conexão fraca à Internet ou uma tecnologia ruim pode resultar em uma imagem granulada ou irregular que dificulta a leitura das expressões faciais de uma contraparte.

O ruído de fundo ou um fundo “ocupado” também pode causar distrações

Além disso, é normalmente impossível para os Compradores fazerem contato visual de verdade durante uma videoconferência.

Como as câmeras de computador tendem a estar localizadas na parte superior da tela, quando olhamos para a tela, parece que estamos olhando para baixo, e não para os olhos de nossos colegas.

Essa falta de contato visual pode prejudicar os Compradores na construção de confiança e relacionamento.

Para compensar essas barreiras à negociação, tente manter os gestos com as mãos dentro da moldura para que seus colegas possam vê-los.

Além disso, você deve se esforçar para minimizar as distrações sonoras e visuais ao final da ligação.

Verifique se a área atrás de você é neutra e profissional e não se esqueça de se vestir para os negócios

Por fim, apenas porque você pode realizar várias tarefas ao mesmo tempo durante uma videoconferência não significa que você deveria.

Resista ao desejo de verificar seu e-mail ou de outros assuntos fora da tela, quando possível.

Dificuldades técnicas

Com a videoconferência, dificuldades técnicas são paritárias para o curso.

Não é incomum ter problemas para vincular ou perder subitamente áudio e / ou vídeo no meio de uma reunião.

Tais falhas podem interromper o fluxo de uma negociação ou nos deixar irritados, o que poderia impedir-nos de negociar da melhor maneira possível.

Pratique o uso de novos aplicativos de videoconferência antes de reuniões importantes, mas lembre-se de que ainda podem surgir dificuldades técnicas.

Desafios de privacidade e segurança

Quando a privacidade de uma negociação é primordial, a videoconferência pode apresentar preocupações especiais.

Embora a possibilidade de ser gravada secretamente seja um risco em qualquer tipo de negociação, as negociações em vídeo podem ser especialmente fáceis para sua contraparte – ou talvez outra parte interessada – gravar.

Além disso, pode haver outras pessoas ouvindo e talvez até aconselhando sua contraparte fora da tela.

Para evitar essas armadilhas de negociação, quando a segurança é crítica, mas a confiança é baixa, você pode esperar para negociar até poder fazê-lo pessoalmente.

Consciência potencial aumentada das diferenças

Uma diferença entre as negociações presenciais e em vídeo que a maioria de nós provavelmente não pensou.

Quando negociamos pessoalmente, vemos nosso colega, mas não nosso próprio rosto.

Por outro lado, quando negociamos por videoconferência, normalmente vemos tanto o rosto de nossa contraparte quanto o próprio rosto em nossa tela.

Consequentemente, a videoconferência pode tornar mais óbvias as diferenças visuais entre nós e a outra parte – gênero, raça, idade, cultura e assim por diante.

A pesquisa é necessária, mas, como resultado, podemos confiar mais em estereótipos um sobre o outro.

Se isso for uma preocupação, reserve um tempo no início de uma negociação on-line para se envolver em pequenas conversas, o que pode levar você a identificar pontos em comum e a ver diferenças superficiais do passado.

Ou você pode tentar neutralizar estereótipos negativos comentando os aspectos positivos da diversidade.

“Não é ótimo que a tecnologia permita que pessoas de lugares tão diferentes façam negócios juntos?

Para mais conteudos como este acompanhe o Blog Papo de Comprador https://www.papodecomprador.com.br/

Também pode me encontrar no Linkedin e Instagram

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *